Compartilhe:
Em tempos de grandes criticas à apropriação cultural pela publicidade, temos uma “apropriação importante”, que sai do carnaval para gringo ver e traz uma iconografia folclórica, diversa, que mostra como o Brasil é muito maior, mais abrangente e mais rico do que a chamada Globeleza.

A nova chamada para o carnaval Globeleza da Rede Globo “lacrou” na percepção do público internauta e no que diz respeito à representação do Brasil real – um Brasil plural. A emissora, que parece ter aderido à tendência publicitária de uso da diversidade como capital de valor, fez um vídeo mostrado diversas representações do carnaval e do rico folclore brasileiro de dimensão territorial (e cultural) continental, do Bumba Meu Boi ao Frevo, com modelos masculinos e femininos de diferentes etnias, pecando apenas pela ausência de um representante de descendência indígena.

Se no ano anterior a emissora foi acusada de “colorismo”, por utilizar como modelo uma lindíssima afro-descendente com o tom de pele mais claro, o que foi percebido como uma estratégia de marketing para tornar a chamada mais adequada ao padrão internacional de modelos – o padrão europeu – neste ano a Globo saiu da apropriação do corpo negro/mulato semi nu (imagem para gringo ver), como representação do carnaval brasileiro e trouxe a heterogeneidade vibrante, alegre e colorida do Brasil plural como conceito, como imagem, como mood de campanha.

Em tempos de grandes criticas à apropriação cultural pela publicidade, como se desde o início da TV e do cinema, isso não fosse a base da comunicação publicitária, temos uma “apropriação importante”, que sai do carnaval para gringo ver, que corrobora a fantasia de um carnaval erótico, selvagem, com mulatas semi nuas, e traz uma iconografia folclórica, diversa, que mostra como o Brasil é muito maior, mais abrangente e mais rico do que a chamada Globeleza, que anuncia o carnaval na mídia, mostrava para o brasileiro e para o resto do mundo. Viva a diversidade!

Assista o vídeo:

As pessoas no geral tem recebido com bastante entusiasmo essa mudança da vinheta, vejam alguns comentários:

Mas tivemos outro ponto de vista, e achamos importante mostrá-lo:

O que você acha? Nos informe sua posição através dos comentários ou nos mande um email para falecom@city.st. Contribuições serão sempre bem vindas!

Texto de Valeria Brandini originalmente publicado no blog Razões para Acreditar

Valéria Brandini é antropóloga e comunicóloga, com PhD pela USP e pela Universitá La Sapienza de Roma. Desenvolveu nos últimos 20 anos estudos sobre os significados da cultura urbana contemporânea, com temas que vão do rock à moda no Brasil, com ênfase na cultura de consumo e seus desdobramentos sociais. Valéria é apaixonada por decodificar os significados da teia cultural contemporânea nas atitudes das pessoas, em seus gostos, suas formas de sentir e enxergar o mundo e acredita na diversidade de gênero, étnica e social como um valor que deve ser compreendido, transmitido e defendido, tanto no universo social, quanto entre empresas, instituições e empreendedores.

Acreditando que diferença não é desigualdade, que as diferenças entre pessoas são a riqueza que traz inovação e diversidade ao mundo e que a aceitação das diferenças ajuda a diminuir a desigualdade, a antropóloga escreve em sua coluna no Razões para Acreditar sobre cultura, comportamento e valores emergentes no Brasil e no mundo.

Foto: Ramón Vasconcelos

 

 

 

Compartilhe: