Compartilhe:

As empresas “anunciantes” estão internalizando atividades que eram executadas pelas agências, ou empresas especializadas em comunicação. Segundo importantes relatórios dos últimos anos no mercado dos EUA, esse crescimento é constante e intenso.

Os anunciantes querem estar no controle da relação com os clientes, e entendem que os dados sobre o mercado devem estar dentro de casa. Além disso, fornecedores de comunicação genéricos são considerados lentos, e priorizam critérios comerciais para as soluções de comunicação.

Os “anunciantes” estão trazendo a comunicação para mais perto do marketing. Mas a qualidade da comunicação é um assunto central, e deve ser tratado contextualmente.

A seguir, 5 abordagens para deixar a comunicação mais alinhada com o marketing, mas sem deixar de ser relevante e criativa.

  1. Mapa de disciplinas: Toda empresa deve definir com clareza quais as disciplinas de comunicação que são centrais para seus objetivos de marketing, e que ativos da empresa são dependentes de performance superior de comunicação. Depois que você sabe quais são essas atividades-chave, será fundamental buscar recursos que garantam um desempenho de alto nível. E nesses casos certamente será necessário contratar um fornecedor externo de alta performance para entregar serviços de qualidade para as atividades-chave do seu modelo de negócio.

  1. Avaliação de fornecedores: escolha e monitore o(s) fornecedor(es) com base nos fatores que permitem determinar a qualidade dos serviços em comunicação (práticas e frequência de treinamento da equipe, a atitude na solução dos seus problemas, as competências demonstradas entre concorrentes, o nível de informação, e a qualidade de uso e atualização tecnológica). Dê um peso a cada um dos fatores, se for necessário abra em itens específicos, e compare as suas opções.

  1. Posicione a comunicação estrategicamente: o “anunciante” deve encontrar seu lugar correto em relação aos movimentos estruturais de sua indústria, tanto na perspectiva interna quanto da cultura dos consumidores. Olhe para outras empresas que estão dentro da mesma realidade. Não perca tempo olhando para todos os anunciantes. A comunicação depende das regulamentações e possibilidades tecnológicas, das plataformas que estão sendo adotadas com maior penetração, e da relevância dos assuntos associados ao consumo desses produtos.

  1. Crie uma régua única para avaliar a performance de suas ações de comunicação: se o “anunciante” deseja ter o controle do processo de comunicação, deve vincular suas execuções contratadas no mesmo caminho dos objetivos de marketing. Isso só é possível se puder avaliar cada ação individualmente, com base nos mesmos critérios. Dessa forma, é possível saber para onde vai cada centavo investido, qual o fornecedor que tem a maior contribuição para os resultados da comunicação, e onde é preciso colocar mais esforço, para gerar mais aprendizado e ganhos de escala.

  1. Coloque o processo de criação de conteúdos dentro do escopo de gestão: a qualidade de comunicação depende de orientação clara para todos que estão envolvidos no processo. Anunciantes devem entender profundamente da gestão da criatividade. Isso implica em (a) saber que linguagem de comunicação trata da cultura, do cotidiano, de pessoas que não entendem nada da sua empresa – apenas precisam resolver seu cotidiano; (b) profissionais de comunicação não devem conhecer sua empresa, as máquinas, os processos – porém, devem conhecer muito bem a realidade das pessoas que contratam os serviços, que compram e usam os bens que e empresa produz. Se quer agilidade, e precisão, na criação das mensagens que a empresa deve comunicar, forneça informação de qualidade sobre tudo que a sua marca deve significar para as pessoas, e sobre as formas atualizadas de uso da linguagem feitos pelos clientes e consumidores em cada segmento em que a empresa atua.

.

Fale com a City para apoiar na internalização das funções de comunicação de marketing. Somos especialistas em ciência de marketing, cultura de consumo, e criatividade.

Acompanhe nossos conteúdos em bit.ly/CITYinsights

 

Leia sobre a tendência in-house:

http://www.ana.net/content/show/id/commitee-inhouse-agency-fact-book

https://www.slideshare.net/sodaspeaks/the-soda-report-volume-1-2015?ref=https://www.slideshare.net/slideshow/embed_code/key/e8Z0GRgTsbVm8g

https://hbr.org/2015/07/6-reasons-marketing-is-moving-in-house

http://www.creativeindustryreport.com/#download

 

Compartilhe: